Sem categoria

CORPO DE UMA CRIANÇA NO ASFALTO, PROCURA-SE UM CULPADO.

Ontem (31/05) por volta das 08h10 um veículo atropelou mãe e filha quando saiam do Juá Garden Shopping. Infelizmente a criança de sete anos veio a óbito no local, a mãe foi conduzida para uma unidade hospitalar.

DE QUEM É A CULPA?

A culpa é da mãe que levou a sua filhinha para um momento de lazer? É culpada também por ter atravessado a rodovia? Ou é culpada por não ter o sexto sentido é adivinhar que o motorista era irresponsável ?

A culpa é do shopping por ter divulgado a exposição “Dinossauros”, que está sendo um marco para o empreendimento? É culpado também porque depois de anos de funcionamento não tem o devido apoio do poder público municipal? E é mais culpado por ter escolhido aquela região sem infraestrutura municipal para se instalar?

A culpa é do motorista que trafegava numa rodovia sem iluminação? Culpado também por ter escolhido trafegar naquela rodovia? Ou inteiramente culpado por trafegar em alta velocidade?

A culpa é da rodovia? Do veículo?, Do semáforo? Dos pneus? Da alta do combustível? Dos dinossauros?

Ou a culpa é do poder público que não cuidou para que a via estivesse iluminada? Não consertou o semáforo sendo que está quebrado há dias? É sabido que ali é uma via federal, mas corta um perímetro urbano, e que tem instalado um empreendimento comercial importantíssimo para o desenvolvimento de Juazeiro.

Por que o município não apoia o shopping? Por que não é parceiro desse empreendimento? O shopping passou um ano funcionando sem ter um linha de ônibus que passasse nas suas imediações.

Nossas condolências a família da criança morta ontem, que Deus conforte o coração de todos.

Ouça esse áudio muito esclarecedor:

2 Replies to “CORPO DE UMA CRIANÇA NO ASFALTO, PROCURA-SE UM CULPADO.

  1. Absurdo!
    Meu Deus.
    Tem que processar o gestor público. “Ele é o culpado da morte desta criança ”
    Aquele acesso ao shopping é uma vergonha. Como um empresário aceita construir um shoppi g naquele porte em um local que não da a mínima estrutura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *