BRASIL

Moro revida, abre guerra com Bolsonaro e crise deve se agravar

O presidente Jair Bolsonaro enfrenta duas arriscadas cruzadas. Uma interna, quando tira autoridade do ministro da Justiça, Sérgio Moro, ao declarar em rede social que o ex-juiz da Lava-Jato “não esteve com ele durante a campanha”. Outra externa, ao eleger o presidente da França, Emmanuel Macron, como seu desafeto político internacional. Ainda que ambas as tomadas de decisões — estratégicas ou não — possam, de alguma forma, trazer pontos positivos na avaliação de especialistas, no final, os ônus podem ser maiores do que os bônus.

A queda de braço com Macron é, sob a ótica diplomática, um equívoco natural para a política externa brasileira. Mas, ao Bolsonaro aliviar o discurso de radicalização contra outras nações e chefes de Estado, e definir apenas a França como um inimigo, o presidente acaba conquistando pontos junto ao eleitor, analisa o cientista político Lucas Fernandes, consultor de análise política da BMJ Consultores. “Foi positivo para engajar o eleitor mais fiel”, ponderou.

Na política doméstica, a fritura a Moro não é totalmente desastrosa. “Bolsonaro age de maneira inteligente, com cuidado para não se associar à imagem do ministro após os escândalos da ‘Vaza-Jato’. Tira um pouco da autoridade e prestígio que ele tinha de superministro, mas faz isso de forma cautelosa, sem um movimento tão escancarado”, analisou Fernandes. Ao responder a um internauta que pediu a ele para “cuidar” de Moro, o presidente minimizou o impacto do ex-juiz sob argumento de que ele não participou da campanha devido às atividades como magistrado. “Com todo o respeito a ele, mas o mesmo não esteve comigo durante a campanha, até que, como juiz, não poderia”, justificou Bolsonaro.

O embate a Macron e a fervura a Moro trazem, no entanto, riscos consideráveis. O ministro não se mostra disposto a largar o posto e o Executivo não considera estratégica a demissão dele. Se chegar ao fim do governo escanteado, mas ainda com capital político pela popularidade que tem junto à parcela de eleitores do presidente, ele consegue se posicionar como um adversário político de Bolsonaro nas eleições de 2022. Caso aceite uma saída honrosa com uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o governo precisará ter o Senado nas mãos. Para isso, as sabatinas do próximo procurador-geral da República e do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à embaixada dos Estados Unidos precisam ser um sucesso.

O tensionamento com a França, por sua vez, pode evitar uma aprovação mais célere do acordo entre o Mercosul e a União Europeia. Embora Macron tenha saído derrotado na reunião do G7 em não conseguir maioria para rever o tratado, o embate causado por Bolsonaro pode levar o Parlamento Europeu a concluir os trâmites apenas ao fim da atual gestão ou na próxima. “Acordos dessa magnitude levam entre três a quatro anos para serem concluídos. Se Bolsonaro adotasse um tom mais pragmático e moderado, o ritmo e os prazos poderiam ser adiantados”, analisou Fernandes.

Incertezas

Ambas as cruzadas de Bolsonaro deixam transparecer com facilidade os movimentos políticos do presidente. Mas o cientista político Aninho Irachande, professor da Universidade de Brasília (UnB), avalia a efetividade com incertezas, sobretudo em relação ao ministro da Justiça. “Obviamente o que ele disse (nesta segunda-feira — 26/8) é o que mais pensa. O Moro não é de confiança. Foi trazido para explorar a imagem dele e transferir essa imagem para o governo. Se sair hoje do governo, a grande perda é de sustentabilidade do governo nos ataques que ele vai sofrer”, analisou.

O governo terá que refletir rápido sobre até que ponto cogita tensionar a relação com a França e permanecer fritando Moro. Por mais que a fervura ao titular do Ministério da Justiça não seja ruim para uma parcela dos parlamentares na mira do Ministério Público, do STF e da Polícia Federal, ele ainda tem algum capital político junto a alguns parlamentares. “Napoleão (Bonaparte, imperador francês) perdeu a guerra porque abriu várias frentes. Ao abrir batalhas internas e externas, Bolsonaro irá se enfraquecer politicamente. E tensionar com o ministro mais popular e um dos principais líderes europeus não me parecem boas estratégias”, alertou o deputado federal José Nelto (Podemos-GO), líder do partido na Câmara.

Os embates se mostram, inclusive, um empecilho para Bolsonaro montar a base política no Parlamento. “A partir do momento que se tensiona as relações internacionais e com seus ministros, tudo vai ficando mais difícil. Hoje, está mais complicado para construir sua base, porque o governo, personificado na imagem do presidente, não passa confiança. Sem ela, temos mais riscos em emprestarmos nosso capital político. O Congresso está com o pé atrás neste momento”, avisou Nelto.

Avaliação de governo

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou pesquisa sobre os índices de popularidade do governo federal e do presidente da República, Jair Bolsonaro. Cerca de 39% da população avalia o governo como negativo; 29,4%, como positivo e 29,1% como regular. A avaliação negativa cresceu cerca de 20 pontos percentuais, já que, em fevereiro, era de 19%. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. Apesar da visão negativa, os entrevistados veem a atual gestão com otimismo no emprego. Para os próximos seis meses, 36,6% afirmam que a situação vai melhorar e 32,9%, que se manterá como está.

Visita a Guedes e à Defesa

Jair Bolsonaro visitou nesta segunda-feira (26/8) os ministérios da Defesa e da Economia. Na pasta que coordena as ações das Forças Armadas, o general Fernando Azevedo e Silva disse que os incedêndios não estão descontrolados. A visita de Bolsonaro a Paulo Guedes teve um principal objetivo, de acordo com analistas do mercado financeiro: a criação de um imposto, que já vem sendo chamado pelo governo de Contribuição sobre Pagamentos (CP).

Fonte: Correio Brasiliense

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *