PETROLINA

Petrolina: Lúcia Mota participar de debate sobre direitos humanos

O PSOL (Partido Socialismo e Liberdade) de Petrolina realiza nos dias 14 e 15 de fevereiro, o debate “a Petrolina que Temos e a cidade que queremos”. Com o tema “Outra Petrolina é Possível, o evento será realizado no Recanto Madre Paulina.

A programação consta para a sexta-feira 14, às 19hs, de um ato de filiação uma análise de conjuntura internacional, nacional e local. No sábado 15, a partir das 8hs da manhã uma mesa redonda discute a Saúde Pública, uma visão de esquerda, direitos humanos e cidadania e mulheres no espaço do poder. Uma das palestrantes é a pré-candidata a vereadora Lúcia Mota. Lúcia é filiada ao Psol e concorreu nas últimas eleiçãoes a deputada estadual e recebeu mais de 16 mil votos.

Lúcia Mota é a mãe da menina Beatriz Angélica Mota, que foi assassinada há quatro anos e 1 mês. Este ano em dezembro de 2020, o Caso Beatriz caminha para os 5 anos. Beatriz foi assassinada com 42 facadas durante uma festa no Colégio Maria Auxiliadora, onde estudava na cidade.

Em dezembro de 2018, o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) decretou a prisão preventiva de um funcionário da escola onde a menina Beatriz Angélica foi assassinada quando tinha 7 anos. O acusado que não chegou a ser preso, é acusado de ter apagado as imagens do circuito interno da câmera de segurança da instituição de ensino. Em setembro de 2019, o TJPE revogou o pedido de prisão do suspeito por entender que as investigações não chegaram a nenhum resultado.

Um mês depois, em outubro, Lúcia Mota, mãe da menina Beatriz, protocolou na Corregedoria da Secretaria de Defesa Social (SDS) de Pernambuco evidências obtidas pela família sobre o possível desvio de função de um perito que teria atrapalhado o inquérito policial que investiga o caso. De acordo com a mãe de Beatriz, o profissional, que não teve o nome revelado, teria elaborado um plano de segurança para a instituição de ensino enquanto investigava o caso. A Corregedoria Geral da Secretaria de Segurança Pública informou que uma investigação preliminar foi instaurada para apurar os fatos.

Segundo a Polícia Civil do Estado (PCPE) as investigações correm em segredo de justiça e, por esse motivo, não pode fornecer informações sobre o caso. A PCPE disse ainda que a delegada Polyanna Neri, que está à frente do inquérito policial sobre o crime com dedicação exclusiva, instituiu uma Força Tarefa composta por policiais civis, três delegados e suas respectivas equipes, que possuem experiência na investigação de homicídios, para contribuírem na celeridade da conclusão do inquérito.

Em nota, a PCPE reitera a confiança em “elucidar esse bárbaro assassinato e apresentar quem cometeu esse crime à Justiça”. Atualmente, o inquérito que investiga o caso conta com 19 volumes, mais de 4 mil páginas e está no Ministério Público de Pernambuco (MPPE).

Fonte: RedeGN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *