JUAZEIRO POLÍCIA

Juazeiro: Um peso, duas medidas? Caso Joaquim Neto e do Guarda Municipal

A Vara do Júri e Execuções Penais de Juazeiro, Norte da Bahia, expediu mandado de prisão preventiva contra o candidato a vereador do PSL, Carlos Alexandre Santos Da Silva, conhecido como “Alexandre Guarda”.

Ele é acusado de ter assassinado a tiros, o mototaxista Carlos Alves de Carvalho, 55 anos. O crime ocorreu no dia 22 de agosto deste ano, na rua Elisabeth Safira, no Centro da cidade.

O acusado também é servidor público da Guarda Civil Municipal de Juazeiro e trabalha como mototaxista, na cidade.

Justiça seja feita, cometeu o crime tem que pagar, não é possível reinar a impunidade, a sociedade precisa de respostas para que outros crimes não aconteçam.

Mas, um outro crime chama atenção pelo fato de um servidor público municipal também está sendo acusado, desta vez como mandante. Trata-se do caso do assassinato do ex-coordenador da Defesa Civil, Adalberto Gonzaga, e tem como possível mandante o atual diretor do Serviço de Água e Saneamento Ambiental (SAAE) de Juazeiro (BA), Joaquim Neto.

O diretor foi denunciado formalmente pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) por envolvimento no assassinato de Adalberto Gonzaga. O crime aconteceu em 2017 e a denúncia foi feita no dia 25/09/2019.

Joaquim Neto não foi afastado do cargo e não teve mandato de prisão expedido, embora  o crime teve forte comoção social e tem ligação com autarquia municipal. Teria sido razoável que o prefeito Paulo Bomfim (PT) tivesse o afastado do cargo, até para preservá-lo. Assim como, MP poderia ter pedido o seu afastamento para ele não destruir provas ou coagir testemunhas.

Além de Neto outras duas pessoas foram denunciadas: Davir Paixão Reis (assassinado no início do ano) e Gabriel Amaral apontados como executores do crime. Em nota, o diretor do SAAE afirmou estar sendo vítima de armação política e que a acusação se baseia num boato espalhado na imprensa juazeirense.

One Reply to “Juazeiro: Um peso, duas medidas? Caso Joaquim Neto e do Guarda Municipal

  1. Caros amigos do Blog Opará,

    Essa situação é fácil de explicar!!!

    No ano de 2019, tive um desentendimento com o Dr. Nélio Ferreira Neves dentro da delegacia, e o mesmo guardou rancor por quê foi afrontado por um guarda municipal que exigiu o cumprimento de obrigação legal de receber uma ocorrência policial.

    Em 21 de outubro de 2019, me desentendi com uma guarnição da PMBA, por que estava filmando uma detenção e os policiais não gostaram da filmagem, que era pra ser utilizada pra exaltar os PMs num perfil do instagram, o qual administro e fui conduzido pelos referidos policiais e ainda fui acusado de ter machucado um policial militar durante a detenção sem ter reagido a detenção ilegal. Ao chegar na delegacia, era o plantão do Dr. Nélio Ferreira Neves e o mesmo pra se vingar da discursão anterior, mandou me colocar numa cela da delegacia sem nenhuma necessidade, pois estava respondendo a um TCO apenas, não havia necessidade de prisão ou detenção. Então eu o denunciei perante a corregedoria da Polícia Civil, e soube que o mesmo foi punido por isso. Soube que eles se vingariam por que eu denunciei o Dr. Nélio a corregedoria por sua conduta irregular.

    Outra situação ocorreu com o Dr. Fábio Candido em 2020 no estacionamento da CSTT, onde o referido delegado junto com o Investigador Franklin e outro investigador que não me recordo, queriam utilizar de sua função para ter o privilégio de estacionar seu veiculo no estacionamento da CSTT, sendo que o estacionamento estava proibido para qualquer viatura estranha ao serviço da CSTT e esta situação causou confusão, onde o delegado se sentiu afrontado diante da negativa de liberar o acesso ao pátio da instituição de Trânsito. Fiquei sabendo que se eu caísse lá eles iriam se vigar de mim pelas afrontas!!!

    Vejam agora a situação: o inquérito nem terminou, está em segredo de justiça não sei por quê e já decretaram minha prisão preventiva desproporcional se valendo de informações inverídicas sobre minha pessoa, se utilizando de provas ilegais e maculadas para tentar direcionar a culpabilidade do crime a minha pessoa, que infelizmente tem ligação com o indivíduo assassinado. A testemunha que tem é a do filho do homem assassinado, que além da emoção da perda do pai, soube da situação através do boletim de ocorrência que recebeu da PM, isto é não estava presente na hora do fato e a outra testemunha não viu absolutamente nada, se baseando apenas em vídeos que na realidade tem o verdadeiro assassino mas que não dá pra ver seu rosto ou características que possam elucidar o caso, devido a péssima qualidade de imagem.

    No dia 07 deste mês, o Dr. Fabio Candido e sua equipe, onde também se encontrava o ex-chefe da DHPP Investigador Franklin, e outros investigadores foram cumprir um mandado de Busca e Apreensão na minha residência e ao chegarem, mesmo sendo oferecido o acesso sem resistência ou dificuldades, os policiais arrombaram a porta da residência com intuito de expor a imagem e ridicularizar este candidato a vereador, entraram apontando armas para um cidadão funcionário público desarmado e apenas de cueca, espancaram com chutes, foi jogado não chão e algemado sem nenhuma necessidade, além de ter sido exposto algemado na rua e colocado na parte traseira da viatura (Xadrez) sem nenhum mandado de prisão em mãos, madado de condução coercitiva ou nem mesmo uma intimação anterior. A câmera instalada na parte frontal da casa filmou parte da ação e captou áudios importantes. Os policiais após esse fato foram denunciados no Ministério Público com a entrega do vídeo e a denúncia foi aceita, sendo que o promotor de justiça mandou abrir um inquérito policial contra o Dr. Fábio Candido e sua equipe.

    Estou sendo vítima de perseguições por parte de alguns policiais da policia civil de juazeiro, onde estão se aproveitando do fato ter ligação comigo, em virtude da tentativa de homicídio contra mim e com isso estão promovendo esse linchamento público contra minha pessoa além de acusações infundadas!!!

    Medidas legais estão sendo providenciadas para reverter essa situação!!!

    Estou consciente de minha inocência!!! Peço que não me condenem por antecipação!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *