BRASIL

Aumento do fundo eleitoral vai tirar dinheiro de saúde e educação

A Comissão Mista do Orçamento do Congresso Nacional aumentou de R$ 2 bilhões para 3,8 bilhões o Fundo Eleitoral em 2020. A proposta foi aprovada nesta semana. Para inflar os recursos das campanhas das eleições municipais do ano que vem, o Congresso fez cortes em saúde, educação e infraestrutura. Para virar lei, entretanto, a proposta precisa ser aprovada pelo plenário do Congresso. A matéria será apreciada em sessão prevista para o dia 17 de dezembro.

Inicialmente, o Governo Federal pretendia destinar R$ 2 bilhões ao fundo eleitoral, conforme a proposta de orçamento encaminhada ao Congresso. Entretanto, líderes de partidos articularam a elevação do fundo em R$ 1,8 bilhão. Para isso, atacaram serviços públicos essenciais. Os maiores cortes aconteceram em saúde (R$ 500 milhões), educação (R$ 280 milhões) e infraestrutura (R$ 380 milhões).

Os cortes vão penalizar, principalmente, a população carente. Conforme reportagem da Folha de São Paulo, do montante de cortes em saúde, por exemplo, R$ 70 milhões iriam para a Farmácia Popular, que oferece remédios gratuitos à população.

“Inadmissível”, diz deputada Carmen

A deputada Carmen Zanotto (Cidadania), que não fez parte da Comissão Mista do Orçamento e, portanto, não votou, afirma que é contrária ao aumento. Na opinião dela, a proposta não passará no plenário do Congresso.

A parlamentar serrana esclareceu que, não apenas ela, mas toda a bancada do Cidadania no Congresso é contra o aumento das despesas. Para ela, os recursos destinados ao fundo eleitoral deveriam ser direcionados, por exemplo, para outras áreas essenciais como saúde, educação e segurança pública.

“Estamos lutando para ampliar os recursos da saúde em mais de R$ 1 bilhão e somos totalmente contrários ao aumento. Entendemos que o aumento é incoerente e inadmissível”, posicionou-se a deputada.

Entenda

O fundo eleitoral está previsto no Orçamento Geral da União. Ele é abastecido com dinheiro público e distribuído para os partidos políticos bancarem as campanhas eleitorais. Mas há outras fontes de recursos para financiar as campanhas, como o fundo partidário.

Na eleição do ano passado, quando foram eleitos o presidente da República, os governadores, os deputados federais e estaduais, além dos senadores, o fundo contou com um aporte de R$ 1,7 bilhão. Os recursos aprovados este ano servirão para custear as eleições municipais do ano que vem, quando serão eleitos prefeitos e vereadores.

Uma das justificativas do relator do Orçamento no Congresso, deputado Domingos Neto (PSD-CE), é de que houve uma redução do volume de recursos do fundo, que até 2014 recebia doações empresariais para financiar as campanhas eleitorais. Este tipo de doação, porém, foi suspensa pelo Congresso.

Deixe uma resposta