JUAZEIRO

Opinião: Não podemos voltar a normalidade…

Por: Cida Cardoso

Se voltarmos à normalidade de nada adiantou milhares de pessoas que partiram vitimizadas pelo coronavírus, tantos sofrimentos pelas perdas e pela negação da despedida dos entes queridos. Se voltarmos à normalidade, para que tantos dias parados sem produzirmos, tantos medos e afastamentos?

Se voltarmos à normalidade, talvez não tenhamos outra oportunidade para mudarmos, pois a próxima lição pode ser tão nefasta quanto essa. Estamos vivendo dias difíceis, mas necessários para refletirmos sobre a nossa própria existência e sermos gratos por tudo que nos é permitido;milhares de pessoas não tiveram essa oportunidade.

Que esse tempo de distanciamento possa despertar em nós o sentimento de empatia que está adormecido, para que não voltemos à normalidade. O planeta nos testou mostrando que somos tão miúdos e frágeis e que quem realmente comanda esse navio gigante é um capitão invisível e poderoso.

Se voltarmos ao”normal”esqueceremos que somos a última espécie a fazer parte desse cenário chamado natureza e entender que se não olharmos diferente para ela vamos viver de fato o provérbio “Os últimos serão os primeiros “.

Se não tivermos a consciência do que viemos fazer aqui na terra, qual o nosso real papel, nos tornaremos piores do que o atual ceifeiro, ou seja, seremos a pior praga do planeta.

O homem por sua vez acredita que conhece, domina e controla os fenômenos naturais, verdadeiramente, é um pseudo domínio, visto que a humanidade tem uma dívida a ser reparada com a ancestralidade oculta das cachoeiras e das florestas virgens e intocáveis. A natureza em tese é incontrolável e destemida permite determinadas ações como um enxadrista habilidoso para ver até onde chega tais maledicências humanas, dai dar o xeque-mate no momento exato e paralisar a jogada adversária dessa espécie que nela habita.

Que quando tudo isso passar possa levar consigo ,nossas mazelas, negatividade e pequenez tornando-as pretéritos imperfeitos em nossas vidas e que tenhamos a oportunidade de fazer um amanhã diferente para sermos melhores do que fomos ontem e do que somos hoje.

Professora da rede pública

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *