JUAZEIRO POLÍTICA

Juazeiro: Eles continuam operando e mandando na prefeitura

A ordem dada pelo aplicativo de mensagens utilizado por alguns funcionários que exercem cargos comissionados no SAAE, não deixa dúvida de quem manda e de quem é a ordem para executar o serviço. Trata-se de Isaac Carvalho, mesmo tendo sido exonerado em 31/03, ele continua dando ordens e despachando com secretários.

Quando Isaac Carvalho foi flagrando num bar no bairro Alto do Alencar, no dia ele estava em campo “fiscalizando” e “conversando” com trabalhadores, e segundo o próprio, “aproveitou” para falar com o secretário Celso Leal”. Depois desse fato, o ex-prefeito diminuiu as idas a campo, mas continua ativo nos grupos de mensagens dos funcionários do SAAE, se encontrando com alguns secretários e participando de reuniões em órgãos públicos. Ele acompanha de perto a maquiagem na cidade para em ano de eleições.

Mesmo negando, o ex-secretário Clériston Andrade continua ativo nas ações da prefeitura de Juazeiro. No início do ano ele negou ter participado da reunião entre o prefeito e algumas lideranças a respeito do fechamento de uma escola, mas quem participou da reunião afirma que ele estava presente e opinando.

Clériston foi exonerado as pressas em agosto de 2019, após a Secretaria de Administração do Estado, o ameaçar de processo administrativo.

O convênio celebrado em 2009 entre o Estado da Bahia e o município de Juazeiro com a cedência de alguns professores e escolas para o município, lotou o ex-secretário na escola José Araújo, mas ele nunca apareceu na escola para cumprir expediente de coordenador pedagógico.

Depois da exoneração, o ex-secretário deveria voltar para as atividades escolares no Estado, mas não foi o que aconteceu. Ele continua operando e participando de reuniões da prefeitura, e ausente no serviço público estadual, de onde ele atualmente recebe o salário.

Na tarde de quarta-feira (01), Clériston Andrade participou de uma reunião online com cerca de 300 cargos comissionados da prefeitura de Juazeiro. A pauta versou sobre diversos temas políticos, o chamamento aos servidores para se engajarem na campanha de reeleição do prefeito Paulo Bomfim (PT) e a mágoa do prefeito quando comparam a sua gestão com a do prefeito Miguel Coelho, de Petrolina/PE.

Segundo o entendimento de alguns juristas consultados, o crime de usurpação de função pública está previsto no Código Penal Brasileiro, artigo 328: Usurpar o exercício de função pública. Pena – Detenção, de três meses a dois anos e multa. Parágrafo Único: Se do fato o agente aufere vantagem. Pena – Reclusão, de dois a cinco anos e multa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *