JUAZEIRO POLÍTICA SAÚDE

Hospital de Campanha: O prefeito precisa explicar o valor no contrato de instalação da estrutura e montagem

Além da decisão equivocada do prefeito Paulo Bomfim (PT) em fazer o Hospital de Campanha num momento em que a população mais precisa de fortalecimento da rede de saúde e da ampliação dos leitos de UTI, principalmente com a reabertura gradual das atividades econômicas e sociais. A população de Juazeiro ainda tem que conviver indignação com a má aplicação dos recursos destinados ao combate a pandemia, e com a dor pela perda de quase 70 juazeirenses mortos pelo covid na cidade.

Na edição nº 1.763, do dia 22 de julho, foi publicado a Dispensa de Licitação nº 081/2020 para a contratação emergencial de pessoa jurídica para prestação de serviço de montagem e instalação de estrutura provisória com 60 (sessenta) leitos para cuidados intermediários no Hospital de Campanha, no valor de R$ 498.414 (quatrocentos e noventa e oito mil, quatrocentos e quatorze reais). O Hospital foi inaugurado pelo prefeito Paulo Bomfim no último dia 10 (segunda-feira) localizado próximo a UPA.

No dia 23 de julho foi publicado no Diário Oficial do Município a revogação da Dispensa de Licitação e Contrato para a montagem e instalação do Hospital de Campanha, com a empresa VALE ALUGUEL DE ESTRUTURAS E PRODUÇÕES DE EVENTOS EIRELI.

Para surpresa de todos, no dia 24 de julho, foi publicado  na edição do Diário Oficial a Dispensa de Licitação nº 110/2020 para a contratação emergencial de pessoa jurídica para prestação de serviço de montagem e instalação de estrutura provisoria com 40 (quarenta) leito para o hospital de campanha, no valor de R$ 664.552 (seiscentos e sessenta e quatro mil e quinhentos, cinquenta e dois reais). A empresa vencedora foi a mesma do contrato anterior, VALE ALUGUEL ESTRUTURAS E PRODUÇÕES DE EVENTOS EIRELI.

A prefeitura de Juazeiro precisa explicar o porquê da diferença no valor e na quantidade de leitos para o contrato com a empresa vencedora. No primeiro contrato o valor era de R$ 498 mil, para 60 leitos, no segundo contrato o valor foi de R$ 664 mil, para 40 leitos.

A diferença absurda de R$ 166 mil a mais para os cofres públicos,  e a diminuição de 20 leitos para atender a população no tratamento do covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *